Jóias
dA REGIÃO neotrOpicAL

Jaime Culebras / Passeios fotográficos pela vida selvagem

Na região Neotropical, as florestas são salpicadas com as cores do arco-íris, graças a um grupo diverso e vibrante de anfíbios chamados sapos-arlequim. Esses belos e carismáticos animais, também conhecidos pelos cientistas como Atelopus , receberam esTe nome por causa de sua bela coloração.

Sapos-arlequim podem ser encontrados desde a Costa Rica no norte até a Bolívia no sul, e desde o Equador no oeste até a Guiana Francesa, no leste, incluindo outros sete países, como o Brasil. Eles vivem em diversos habitats, desde florestas tropicais úmidas ao longo da costa do Pacífico e da bacia Amazônica até as regiões montanhosas e páramos dos Andes.

map_Portuguese.jpg

Em alguns lugares, os sapos- arlequim possuem um enorme valor cultural.

No Panamá, o impressionante sapo-panamenho-dourado é o animal nacional, encontrado em bilhetes de loteria e em obras de arte, e celebrado anualmente por decreto do governo no Dia do Sapo Dourado.  

Sapos-arlequim também têm significado cultural para algumas comunidades indígenas. No Equador, povos indígenas Quechua usam sapos-arlequim vivos ou “jambatos” para curar verrugas, sarna e dores de cabeça.

 

Os arhuacos, na Sierra Nevada de Santa Marta, na Colômbia, consideram os sapos-arlequim ou “gounas” um símbolo de fertilidade e saúde do ecossistema.

CURIOSIDADES

  • Eles são super coloridos: do vermelho brilhante ao amarelo, até mesmo roxo, verde e rosa, os sapos-arlequim vêm em uma grande variedade de cores. Uma das paletas de cores mais impressionantes da natureza!

  • Eles são hiperdiversos: cerca de 100 espécies de sapos-arlequim podem ser encontrados desde florestas ao nível do mar até ecossistemas de grande altitude, como os páramos da linha de neve nos Andes (4.500 metros).

  • Eles são amantes apaixonados: em belos riachos tropicais, alguns sapos-arlequim podem passar semanas em amplexo (o abraço reprodutivo dos anfíbios), durante os quais os machos renunciam à comida e podem perder até 30% do peso corporal!

  • Eles abanam: sapos-arlequim podem acenar com os membros para se comunicar.

  • Eles são difíceis de ver: sapos-arlequim são mestres em se esconder em seu habitat, mas se você tiver sorte, durante a época de reprodução, você verá riachos e arroios cobertos por eles.

  • São vitais para o meio ambiente: a presença de sapos-arlequim é um claro indicador da saúde de seus habitats, principalmente da qualidade da água dos riachos que eles utilizam para se reproduzir.

Jaime Culebras / Passeios fotográficos pela vida selvagem

Fotos de Jaime Culebras / Photo Wildlife Tours

Os sapos-arlequim estão entre os anfíbios mais ameaçados do mundo.

Mais de 75% das espécies de sapos-arlequim estão ameaçados de extinção e 4 espécies estão extintas. Atualmente, 40 espécies desapareceram de suas localidades conhecidas e não têm sido vistas desde o início dos anos 2000, apesar dos esforços para encontrá-las. Desde a década de 1980, uma doença infecciosa mortal chamada quitridiomicose tem afetado diversas espécies de anfíbios, incluindo Atelopus, na região Neotropical.

 

Esta pandemia, combinada com a destruição e degradação do habitat, a introdução de espécies invasoras (como a truta-arco-íris) e os efeitos das mudanças climáticas estão colocando sapos-arlequim em risco de extinção.

threat_status_Portuguese.png

Apesar de sua beleza e elevado risco de extinção, os sapos-arlequim são desconhecidos para a maioria das pessoas e apenas algumas populações foram estudadas em detalhes. No passado, houve falta de colaboração e troca de informações entre pesquisadores e conservacionistas. Atualmente,  sem uma resposta coordenada e aplicação de ações eficazes, o destino desses animais é incerto.

Mas há esperança!

 

Formamos a Iniciativa de Sobrevivência Atelopus para conectar pessoas na região Neotropical e em todo o mundo para coordenar ações para salvar essas espécies. Ao reunir décadas de experiência e paixão por sapos-arlequim, a Iniciativa de Sobrevivência Atelopus está encontrando maneiras inovadoras de combater ameaças, proteger e restaurar florestas e bacias hidrográficas, criar e manter programas de reprodução em cativeiro e reencontrar sapos-arlequim "desaparecidos".